História e tradição que o tempo e ninguém apaga
  • 20 jul 2019

História e tradição que o tempo e ninguém apaga

Meus Irmãos: nosso Grande Oriente de São Paulo completa em julho 98 anos. São décadas de grandes lutas, grandes debates, grandes realizações! À porta dos 100 anos, fico saudoso dos feitos passados de antigos Irmãos e Grãos-Mestres e orgulhoso do que estamos entregando para a futura geração de Maçons do GOSP e para a Maçonaria Paulista. Sinto que, a cada dia, estamos mais irmanados no idealismo, no trabalho, na realização e na fraternidade. É nosso dever a partir de agora consolidar nossas fileiras para abrigar, neste futura que estamos construindo, a nova geração de Irmãos no GOSP que já integra nossas Fileiras.

Estes 98 anos mostram que temos história e tradição que o tempo e ninguém pode apagar. História feita por Obreiros que trabalharam incansavelmente pelo bem comum do espírito e da sociedade e não se curvaram à tiranias quaisquer. E tradição por se manter fiel aos princípios da Maçonaria Universal. É na tradição que reside a qualidade do valor da instituição, sua durabilidade como prova do trabalho correto e sua longevidade como símbolo da maturidade. Dentro de nós se abriga a sublime e irretocável união que só é alcançada pelo alto espírito de uma austera e nobre compreensão de saber que as sementes que viemos espalhando em nossas Lojas deram ótimos frutos. Tratemos de seguir, meus Irmãos, todos juntos, trabalhando sem cessar para somar e multiplicar o nosso GOSP, erradicando de nós os sentimentos que nos levam à cizânia e à divisão.

Aproveito os 98 anos ainda para dizer: não precisamos do reconhecimento de ninguém porque nós nos reconhecemos. Somos regulares por origem e Obreiros incansáveis por uma Maçonaria sem muros. Buscamos a concórdia e a Maçonaria Paulista forte e coesa. Há hoje um clima de sonhos, de planejamentos, de execução de metas e de trabalho sério que ouço em todas as Lojas que frequento. De forma consciente, seguimos, “pari passu”, na conservação das verdadeiras bases maçônicas sem deixar de olhar para o que pode ser renovado. Vejo nossos Obreiros empunhando nossa bandeira, orgulhosos de seu valor. É em nome desse orgulho que tem surgido, em todos as regiões maçônicas do Estado, um novo Grande Oriente de São Paulo, palco para  construtores de posturas ilibadas, política e administrativamente em suas comunidades

Temos, até chegarmos aos 100 anos de criação, que firmar cada vez mais o GOSP como o grande representante da Maçonaria Paulista e, com a ajuda de GADU, torná-lo símbolo e exemplo para a Maçonaria do Brasil e da América Latina. Que possamos prosseguir na obra que nos foi legada por nossos antepassados para que nossa tarefa não seja descuidada na sua execução, como bons e zelosos Obreiros que somos. De pé e à ordem, meus Irmãos. Viva o GOSP!