Maçonaria de São Paulo completa 98 anos em tempos de mudanças políticas, econômicas e sociais
  • 29 jul 2019

Maçonaria de São Paulo completa 98 anos em tempos de mudanças políticas, econômicas e sociais

Por Kamel Aref Saab*

Formado por maçons distribuídos em todo o Estado Paulista, o Grande Oriente de São Paulo (GOSP) completa 98 anos de existência no dia 29 de julho, em meio a um cenário de mudanças políticas, econômicas e sociais.

Em toda a sua história o objetivo maior da nossa Ordem foi ser uma escola de vida para aqueles interessados em fazer um mundo melhor. Assim, as sessões realizadas nos templos maçônicos não são cultos, mas encontros em que são discutidos temas variados, de filosofia a história e atualidades. Maçom em sua origem, significa ‘pedreiro’. E, se em um passado remoto, esses construtores erguiam catedrais e monumentos, hoje eles edificam obras de transformação social – e não são poucas. Costumo lembrar sempre que “não há obra que se erga sem que na argamassa esteja misturado o suor do pedreiro”. Portanto, as iniciativas voltadas às ações sociais e filantrópicas são uma preocupação permanente de todas as Lojas Maçônicas do Grande Oriente de São Paulo.

A Maçonaria esteve presente em momentos fundamentais da história do País, como a Independência do Brasil, a Proclamação da República, a Abolição da Escravatura, a redemocratização e em outros eventos marcantes, atuando com altivez no progresso e evolução da sociedade. E, nos dias atuais, por sua vez, a Maçonaria do Estado de São Paulo trabalha incansavelmente para reconquistar o seu protagonismo e resgatar o seu passado histórico de lutas e conquistas.

Reforço que o nosso papel é fazer uma interface entre o discurso maçônico e a prática cidadã, atuando na evolução da sociedade por meio do exercício direto da política. É uma forma de revolução pacífica, cívica e democrática, permitindo, assim, a construção de um país melhor para todos e para as gerações futuras.

Atualmente, a corrupção é um dos principais inimigos do Brasil, matando milhares de pessoas e atrasando o desenvolvimento do país. Por isso é ainda mais importante a existência de uma instituição como o Grande Oriente de São Paulo, interessada e comprometida com a Nação para combater esse cenário. Acreditamos que a ação de influenciar na mudança do parlamento, excluindo os corruptos e colocando em seu lugar homens de bem, é um caminho para isso.

Ressalto que, para atingirmos todos esses objetivos, precisamos estar fortes e unidos internamente. Os acontecimentos do último ano foram apenas mais uma prova de como juntos, nós membros do GOSP, conseguimos construir uma Potência mais forte e mais fraterna.

Foi um ano de muita luta pela independência de nossa Potência e resgate de nossa dignidade, mas vencemos. Isso graças a cada um dos Irmãos que esteve conosco nesta luta pela Maçonaria Paulista, quando esta se deparou com o autoritarismo e a truculência.

O GOSP é a instituição Maçônica mais antiga no Estado de São Paulo. Tem presença marcante na história paulista, como na Revolução Constitucionalista de 1932. Então, tudo o que conquistamos ao longo dos nossos 98 anos já faz parte do nosso legado para a sociedade. Nossos Irmãos reconhecem esta importância e, para nós, isso já basta.

No futuro, as crises, as injustiças e os quadros adversos que surgirem só serão revertidos quando todos os atores da sociedade estiverem unidos. A desigualdade sempre será desfeita quando os cidadãos se aproximarem uns dos outros.

E é com orgulho que vejo a Maçonaria Paulista, por meio do Grande Oriente de São Paulo, voltar a contribuir com os passos para essa evolução comunitária.

Grande Oriente de São Paulo: rumo a um século de Regularidade e Fraternidade.

*Sereníssimo Kamel Aref Saab é Grão-Mestre do Grande Oriente de São Paulo (GOSP)