A Simbologia Maçônica em Paraty

Uma cidade construída sobre os pilares de um segredo

Publicada por Gosp

Publicada em 09/02/2021

Quem anda pelas ruas de Paraty, cidade histórica localizada no litoral sul do estado do Rio de Janeiro, ao admirar sua arquitetura requintada e de estilo colonial, talvez não perceba, à primeira vista, os segredos que ela esconde. 

Com olhos um pouco mais atentos, conseguimos identificar nas construções a forte influência de uma sociedade enigmática que por muito tempo se dedicou a manter ocultas suas práticas e filosofias, e que talhou suas simbologias nos casarões, esquinas e ruas de Paraty. 

Acredita-se que a maçonaria surgiu em Paraty no ano de 1700, quando Maçons, recém fugidos das perseguições do Velho mundo, encontraram refúgio na ilha e deram início aos seus trabalhos. Os Maçons que ali se instalaram foram batizados pelos moradores locais de “Os Iluminados”, por conta de suas ideias inovadoras. Na época, o ofício da ordem era voltado majoritariamente para a construção civil, por isso, eles foram grandes responsáveis pelo desenvolvimento arquitetônico da cidade. 

Os casarões e sobrados são decorados por desenhos coloridos, predominantemente em branco e azul, cores notáveis da Maçonaria Simbólica, assim como as esquinas de Paraty são adornadas por cunhais de pedras, dispostas para compor um formato de triângulo, o que estudiosos acreditam ser uma alusão aos pilares da maçonaria. Entre os indícios da presença maçônica na cidade estão as medidas das construções, algumas apresentam vãos entre janelas em que o segundo espaço é o dobro do primeiro e o terceiro é a soma dos anteriores, isto indica que a soma das partes é igual ao todo, ilustrando o retângulo áureo de concepção maçônica. Outra grande indicação é a presença do número 33, importante na Maçonaria Filosófica. As plantas de algumas casas possuem escala 1:33:33, existe também o registro de um cargo chamado “Fiscal de Quarteirão”, a vila possuía 33 fiscais, mas o número de quarteirões era bem menor que 33, o que pode significar a tentativa de esconder os rituais e práticas maçônicas daqueles que não pertenciam a ordem.

Naquele tempo, era mais difícil desvendar os sinais e ilustrações, mas hoje, como as informações sobre a maçonaria estão mais acessíveis, podemos entender um pouco desta história que teve seu alvorecer séculos atrás.

Você possui algum conhecimento sobre símbolos maçônicos em arquiteturas pelo Brasil e mundo, ou até mesmo em sua cidade? Entre em contato pelo e-mail: luzeseditoria@gosp.org.br

Suas sugestões podem estar nas próximas edições!